Saiba o que é proatividade e entenda como se tornar um profissional com atitude

Saiba o que é proatividade e entenda como se tornar um profissional com atitude
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Trabalhadores proativos estão em alta demanda e é fácil entender por quê. Quando se trata de criar mudanças positivas, esses funcionários não precisam ser instruídos a tomar iniciativas. Várias pesquisas confirmam que, em comparação com suas contrapartes mais passivas, as pessoas proativas têm melhor desempenho, contribuem e inovam.

Mas a proatividade também pode dar errado. Evidências sugerem que, se não for canalizada da maneira certa, ela pode sair pela culatra e ter consequências negativas não intencionais para organizações, líderes, membros da equipe e indivíduos. Essa dinâmica foi rotulada de “paradoxo da pró-atividade” : a pró-atividade é desejada, mas apenas se estiver exatamente de acordo com as expectativas do responsável. Por exemplo, as pessoas podem iniciar o tipo errado de mudança e acabar custando dinheiro às suas organizações, ou podem ter o ímpeto de negociar uma carga de trabalho melhor para si mesmas, mas como resultado transferir as tarefas para outras pessoas. Essas “surpresas” proativas podem incomodar colegas e líderes, e a reação resultante geralmente prejudica o iniciador.

Tudo isso para dizer que existe uma maneira certa e uma maneira errada de ser proativo.  A teoria argumenta que a sabedoria vem de equilibrar os interesses de uma pessoa com os interesses de outras pessoas e da sociedade em geral. O que definimos como “pró-atividade sábia” ou a maneira certa de ser pró-ativo inclui, portanto, os três elementos a seguir.

Gerenciar a si mesmo

Ser proativo exige tempo e energia consideráveis, por isso é importante reconhecer que alguns problemas não são seus para resolver. Assumir muitas ou grandes iniciativas pode facilmente levar ao esgotamento.

Considere quais iniciativas vale a pena impulsionar e, antes de iniciar uma, pergunte: tenho interesse pessoal e experiência profissional suficientes para liderá-las? Tenho tempo e recursos para executá-lo? Permita que algumas iniciativas sejam lideradas por outras. Se você decidir dirigir um, otimize seu gerenciamento de tempo. Planeje como você permanecerá no caminho quando surgirem contratempos, assegure-se de ter apoio e defenda-se contra o deslizamento do projeto, sentindo-se confortável em dizer “não”.

Considerar os outros

Na maioria das vezes, as mudanças que você faz em seus métodos de trabalho envolvem outras equipes. Mesmo assim, muitos funcionários proativos não consideram totalmente como sua proatividade pode impactar outras pessoas.

Antes de fazer isso, pergunte: quem será afetado por minha iniciativa? Quem eu preciso integrar para garantir o sucesso? Depois de responder a essas perguntas, considere como você comunicará sua ideia às partes interessadas mais importantes e quais etapas você precisa realizar para prepará-las. Sem o apoio de outras pessoas, você provavelmente irá falhar, não importa o quão pró-ativo você seja.

Os “outros” não se limitam aos pares, no entanto. A “proatividade imprudente” também pode impactar negativamente o relacionamento funcionário-gerente. No entanto, as organizações que desejam estimular a inovação, portanto, precisam criar ambientes de confiança, nos quais seus funcionários se sintam estimulados a compartilhar suas ideias.

Alinhar-se as metas organizacionais 

Se uma ideia não se alinha com a sua estratégia principal ou com a missão mais ampla da sua organização, é provável que seja uma perda de tempo e recursos. Ao iniciar uma nova ideia, pergunte-se se a mudança é necessária na situação e, em caso afirmativo, que tipo de mudança é apropriada para aquele contexto. Evite a mudança pela mudança. Pense em como você pode implementar suas ideias de maneira eficaz, de acordo com os objetivos de sua organização.

Crucialmente, é a combinação equilibrada dos três elementos acima que torna a proatividade verdadeiramente sábia. Todos nós podemos pensar em alguém que toma medidas proativas para se beneficiar, mas raramente considera o contexto organizacional ou as necessidades dos outros. Isso não é sensato e é improvável que leve a resultados eficazes. Da mesma forma, alguém que considera os outros cuidadosamente, mas exagera sua pró-atividade ao ponto da exaustão, também não terá sucesso. A pró-atividade sábia, portanto, capta o que está no cerne da sabedoria, que é a gestão da dialética, ou elementos que muitas vezes estão em tensão – neste caso, o equilíbrio de diferentes interesses externos e internos.

As organizações podem ajudar, treinando seus funcionários sobre como praticar os três elementos da pró-atividade sábia de forma equilibrada. Os gerentes, em particular, devem ser treinados para modelar esses comportamentos e ensinar sua equipe a fazer o mesmo. Recrutadores e profissionais de recursos humanos podem ajudar considerando a capacidade dos candidatos a emprego de equilibrar esses três aspectos de sabedoria ao considerar os candidatos. As perguntas comportamentais da entrevista devem se concentrar não apenas em entender se um candidato a emprego é pró-ativo, mas também em quão sábias são as ações pró-ativas dessa pessoa. Ao facilitar a proatividade inteligente, as organizações podem estimular funcionários que fazem as coisas certas acontecerem da maneira certa.

Gostou do conteúdo? Leia também A importância da comunicação interna em pequenos negócios